terça-feira, 31 de agosto de 2010

te dei meu sangue,

Die Lüge
Fresno

Deixei dinheiro pra me visitar
Te dei meu sangue pra você pintar
A parede da sala de estar
(Mas não tem volta)

Te dei meu tempo pra você usar
Da forma que você bem entender
Mas eu nunca disse meu amor,
Que era de graça.

Tem algo que eu sempre precisei
Secretamente eu requisitei
E até quando eu comecei a gritar
(Você não me ouviu)

E eu me contento com o que sobrou,
Eu como o pão que o diabo amassou
Mas não divido com você,
Nem um segundo do que me resta a viver

Ninguém mais pode me ouvir,
Ninguém mais pode me parar
Chegou a hora de gritar
(wooooah)

Tudo o que eu tinha se acabou
E foi você quem me tomou
Que cara você vai fazer,
Quando a sua casa desabar?

Um dia desses acordei,
Não conseguia respirar
Enquanto não cuspisse
Tudo o que eu tinha pra falar

Na sua frente, na sua cara,
Tudo o que eu sei que você é
O que você esconde atrás
Desse sorriso tonto de quem não sabe como é

Olhar pra frente e ver
Que não dá pra onde ir
E saber que o seu lugar
É muito longe daqui

Meu mundo é muito maior,
Seu mundo é uma mentira
Que você mesmo inventou

Ninguém mais pode me ouvir,
Ninguém mais pode me parar
Chegou a hora de gritar
(wooooah)

Tudo o que eu tinha se acabou
E foi você quem me tomou
Que cara você vai fazer
Quando a sua casa desabar

Mas olha só pra você
Ficou horrível sem mim
Achou que ia arrasar
Mais de mil caras afim

Mas qualquer um pode ver
Que você é de mentira
(Que só eu mesmo acreditei)